Paty do Alferes

Paty do Alferes
Paty do Alferes. Cidade da Nova Produção Rural e do Teatro. Cavalo Manga Larga Marchador, Orquídeas e Bromélias, Ateliers, Pesqueiros, Fazendas de Produção

Paty do Alferes é a força, o fruto da terra.  A mais antiga localidade da região mostra com toda a sua essência a beleza da filosofia de Confúcio: “É preciso comprar arroz e floresArroz para viver, e flores para ter pelo que viver.”

Com um pequeno centro de cidade, o segredo em Paty do Alferes, é visitar o campo. Lavouras, paisagens mais abertas, sítios e fazendas de produção compõem um cenário encantador. Homens e mulheres que sabem lidar com a terra, recebem dela riquezas e compartilham delícias com todo o Vale do Café e Rio de Janeiro. Tomates, louro, abobrinhas, orquídeas, maracujá, pimentão, mamão, pequenos milagres em profusão, abastecem despensas.  Eles ganham no mercado regional, o Ceasa de Paty, espaço direto para as cozinhas de restaurantes e supermercados locais. Por cima, abençoando a todos, uma elegante palmeira nativa, Syagrus pseudococos, a Paty, dá nome ao município. 

Para ajudar na lida do campo, um amigo: o Cavalo Mangalarga Marchador, conterrâneo dos produtores da terra. Jóia da região, unanimidade amada por todos no Vale do Café, dócil e de andar hidramático muito confortável, concebido na histórica Fazenda Mangalarga, preservada até hoje. 

No município, marcos históricos vivos importantes: a Fazenda Pau Grande, da Sesmaria de Pau Grande, ainda do início do séc. 18. A belíssima Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Paty do Alferes inaugurada em 1844.  Arota de liberdade e região do Quilombo de Manoel Congo, na Serra de Santa Catarina, com a gruta do Quilombo na Fazenda do Quilombo. Em Paty nasceu a heroína Mariana Crioula, que liderou ao lado de Manoel Congo a busca por liberdade de mais de 400 africanos e seus descendentes, escravizados

A arte…Aldeia Arcozelo, é um belíssimo legado deixado ao Teatro Brasileiro pelo diplomata Pascoal Carlos Magno.  Grupos de Teatro como o Celeiro das Artes atuam no município. Paty do Alferes tem história forte com músicos e artistas plásticos como Gabriel Fonseca escultor, Orlando da Silva gravador pintor e professor, Celso Woltzenlogel flautista, Ernesto Gonçalves contrabaixista, consagrados músicos do cenário carioca. Há inúmeros ateliers de pintura, fotografia, cerâmica, espalhados pela cidade. São mais de 30 artistas atuantes em Paty. 

Em cerimônias, Olimpíadas, Copas do Mundo, sempre onde o Brasil está presente oficialmente, um pouquinho de Paty do Alferes e Vale do Café sãorepresentados. Quando os brasileiros entoam as palavras do Hino Nacional, ganham vida bosques com mais vida, risonhos lindos campos com mais flores, um céu profundo e límpido onde o cruzeiro resplandece. Imagens do poema do hino, escrito por Joaquim Osório Duque Estrada, poeta, jornalista e escritor nascido em Paty do Alferes. 

Imagens que você encontrará passeando nesta incrível região.  E descobrirá, quem sabe… em sua vida, em seu seio, mais amores!